Para todos aqueles que continuam a utilizar o carro por motivos de força maior, seja para ir trabalhar, prestar auxílio a familiares ou até mesmo para fazer as compras no supermercado, saiba que cuidados de higiene deve ter, de forma a diminuir o risco de contágio por COVID-19.

Ainda que o automóvel seja um dos melhores meios de transporte neste momento, por proporcionar maior isolamento social, não está isento de riscos. De acordo com as autoridades de saúde, o vírus pode permanecer em superfícies durante um período temporal que pode ir de algumas horas a, pelo menos, três dias. Assim sendo, uma limpeza e desinfeção constante das zonas de maior contacto faz toda a diferença.



Quais as zonas críticas de infeção num automóvel?



  • No exterior da carroçaria há quatro pontos críticos: os puxadores das portas dianteiras e traseiras, os pilares das portas (que seguramos ao abrir) e o portão da mala.

  • No interior: o volante, o seletor da caixa de velocidades, o comando do travão de parque e os puxadores de portas. Os botões do sistema multimédia, as alavancas na coluna de direção (piscas e limpa pára-brisas), bem como os ajustes de bancos ou encostos de braços não devem ser esquecidos. Todas são zonas críticas de contacto, ainda mais em viaturas de táxi ou TVDE.



Que produtos utilizar?

A Consumer Reports aconselha, para limpeza dos pontos de contacto referidos, o uso de alguns produtos que já utilizamos para as tarefas domésticas, com ação antibacteriana. Para desinfetar, recorra ao gel de álcool.

Como alternativa, pode preparar uma mistura de 60% de água e 40% de álcool isopropílico. Comece por humedecer um pano de microfibra e aplicar em cada uma das zonas. No final limpe com um pano seco e lave-o bem. para a próxima utilização. A lavagem vigorosa com álcool e sabão pode também destruir o coronavírus.



Que cuidados deve ter na limpeza?



  • Nos estofos em pele deve ter cuidados adicionais. Com o passar do tempo, limpar o couro com álcool pode provocar alguns danos e descoloração. Recomenda-se que a higienização seja feita sem muita fricção nestes casos.

  • Produtos à base de peróxido de hidrogénio (água oxigenada) ou amónio devem ser evitados, pois são suscetíveis de danificar as superfícies do carro. O recurso a álcool é sempre o mais aconselhado.

  • No final da limpeza é importante manter as portas abertas ou os vidros do carro, para deixar secar as superfícies e fazer com que a humidade saia do habitáculo.



Siga estes conselhos e as recomendações da Direção Geral de Saúde, para se proteger a si e a quem o rodeia. Lembre-se que só deve fazer viagens de carro estritamente necessárias e, se possível, opte por viajar sozinho.